Programa de educação financeira será voltado às beneficiárias do Bolsa Família

Compartilhe

Melhorar a gestão do orçamento familiar, quebrar o ciclo da pobreza entre gerações e garantir o bem-estar de milhares de brasileiros beneficiários do Bolsa Família. As metas fazem parte do programa Futuro na Mão: dando um Jeito na vida financeira, lançado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), nesta segunda-feira (14), em São Paulo (SP).

A iniciativa vai incentivar a reflexão e a troca de ideias sobre práticas de educação financeira para mais de 200 mil mulheres beneficiárias do Bolsa Família. Fruto da parceria com a Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF-Brasil), o programa conta com o financiamento do Banco Mundial e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

De acordo com o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, a inovação é uma das marcas do projeto. “Devido ao seu público potencial e pioneirismo, o Futuro na Mão será um dos maiores programas de educação financeira voltado para famílias de baixa renda do mundo”, afirma. “Vamos ver esse e outros projetos mudarem a história e o futuro do nosso país”, reforça a superintendente da AEF-Brasil, Claudia Forte.

Como funciona o Futuro na Mão?

As oficinas de educação financeira do Futuro na Mão são formadas por três encontros, oferecidos nos Centros de Referência da Assistência Social (Cras), no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (Paif).

Cada encontro possui objetivos específicos e as participantes recebem um material para auxiliá-las durante o curso. O material utilizado, desenvolvido em parceria com beneficiárias do Bolsa Família, baseia-se em três eixos: formação de reservas, planejamento financeiro e controle de dívidas.

Na primeira oficina, são entregues os “Cofrinhos da Família”, três cofrinhos de papel destinados a armazenar o dinheiro para despesas do dia a dia, emergências e os sonhos e projetos da família.

Já no segundo ciclo, de planejamento financeiro, as mulheres recebem a “Agenda da Família”, com divisórias e adesivos coloridos que ajudam a visualizar as fontes de renda e os tipos de gastos da família, fazendo uma “fotografia financeira”.

Por fim, na terceira parte da capacitação, as participantes recebem a “Carteira da Família”, kit composto por uma carteira e duas cadernetas. As beneficiárias poderão utilizar as cadernetas para anotar as entradas e saídas de dinheiro, compreendendo as dívidas e evitando a inadimplência.

O desenvolvimento do projeto

O projeto foi desenvolvido com a participação de mais de três mil beneficiárias e, aproximadamente, 200 trabalhadores dos Cras de todas as regiões brasileiras. Durante o primeiro ciclo, 80 mulheres beneficiárias do Bolsa Família, moradoras de 14 cidades diferentes, foram acompanhadas ao longo de quatro meses por uma equipe contratada para executar a pesquisa.  Foram identificados quatro principais perfis de mulheres, em relação à forma como lidam com suas finanças.

Esses perfis serviram como base para a criação de soluções adequadas, com a finalidade de ajudá-las a conhecer melhor sua situação financeira, reduzir o endividamento e criar reservas. A etapa seguinte, o desenvolvimento das tecnologias, foi realizada com a participação de cerca de três mil mulheres em 20 municípios.

Em seguida, na aplicação-piloto, foram apresentadas as tecnologias construídas para um grupo de duas mil mulheres. Todas elas participaram de uma avaliação de impacto. Dentre aquelas que participaram das oficinas e receberam as tecnologias, houve um aumento de 75% na capacidade de cobrir os gastos com emergências usando suas próprias reservas, evitando o endividamento. Além disso, houve um aumento de 39% na capacidade das famílias de criar uma poupança ou reserva em dinheiro.

Implantação nos municípios

Em 2018, o Futuro na Mão será disponibilizado aos municípios com a capacitação dos técnicos dos Cras e disponibilização dos materiais a serem utilizados nas oficinas. Na primeira fase, que será executada de maio a dezembro deste ano, 560 municípios serão convidados a aderir à iniciativa.

Os critérios adotados para a definição dessas cidades foram: a existência ou planejamento de oferta do Programa Acessuas Trabalho; o atendimento pelo Serviço de Proteção e Atendimento Integral às Famílias (Paif) de, pelo menos, 100 famílias beneficiárias do Bolsa Família; e a inclusão das capitais e metrópoles. A intenção do ministério é ampliar gradualmente o acesso ao Futuro na Mão.

Capacitação – Nesta terça-feira (15), terá início o ciclo de formação dos técnicos da rede Sistema Único de Assistência Social (Suas) que ficarão responsáveis por realizar as oficinas nos Cras. O primeiro Estado a receber a Semana de formação de facilitadores de educação financeira do Futuro na Mão será São Paulo (SP). Na primeira etapa do programa, estão previstas 10 capacitações com duração de uma semana cada, promovidas em todas as regiões do país para a formação de 1.200 facilitadores.

Informações sobre os programas do MDS:
0800 707 2003


Compartilhe

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *